12 Fevereiro, 2022 0 Comments

Floresta invernal é a oferta do mês de janeiro

É neste inverno atípico que estamos a atravessar, um inverno sem chuva e ameno que surge esta imagem. “Floresta invernal” numa opinião muito pessoal, transmite a magia do inverno. Árvores despidas de folhas perante uma tonalidade vermelha e alaranjada assim como um misto de verde pinho e relva de serrania.

Este, é por si só um lugar a visitar. É um dos vários lugares mágicos da Serra da Lousã situado em Castanheira de Pera.

 

Dados técnicos da fotografia:
Abertura: 7.1
Velocidade: 1/100
ISO: 100
Flash: Não
Data: 20 de janeiro

 

GOSTAVAS DE TER ESTA IMAGEM COMO FUNDO DE ECRÃ DO TEU COMPUTADOR?

Subscreve aqui!

 

Tudo de bom, saúde e até ao próximo mês,
Jorge Nunes!

30 Dezembro, 2021 0 Comments

Votos para 2022

Votos para 2022 – À medida que a nossa linha do tempo aumenta e ao olhar para o nosso passado, o mesmo, vai ficando preenchido de memórias. É importante mantemos vivas essas nossas memórias. É importante não esquecermos de onde viemos e é igualmente importante não esquecer todos os nossos momentos que nos vão identificando enquanto Ser, para assim continuarmos a edificar o nosso Eu.

 

A breves “instantes” de dar entrada um Novo Ano, anseio que o mesmo seja concretizador de ideias e vontades baseado em convicções como a seriedade e sustentabilidade.

Estes são os votos do vosso amigo, Jorge Nunes

 

 

12 Dezembro, 2021 0 Comments

Caminho de Pedra – Oferta de novembro

Caminho de Pedra, é uma antiga passagem que faz a ligação entre a aldeia do Coentral Grande e a aldeia das Sarnadas no Concelho de Castanheira de Pera.

13 Julho, 2021 0 Comments

Levada… o wallpaper de junho

Levada da Ponte Silveira, no Coentral Grande é uma levada histórica com mais de 230 anos. É uma levada e um ponto de interesse que muitos desconhecem e que, através da mesma há muito a descobrir. Um destino obrigatório em Castanheira de Pera, um belíssimo cartão de visita.

Para saberem mais sobre esta maravilha histórica, podem ler o artigo de Joaquim Ferreira, bastando para isso clicar aqui.

Já para receber esta bonita imagem, sem qualquer marca d’água, basta subscreveres a minha newsletter.

Subscreve a minha newsletter aqui!

 

Todos os subscritores já receberam o link para descarregar esta fantástica imagem e assim ficar com uma recordação deste levada histórica.

Dados técnicos da fotografia:
Abertura: 7.1
Velocidade: 0.8
ISO: 100
Flash: Sim

Aguardo o teu contacto!

Até já,
Jorge!

 

11 Abril, 2021 0 Comments

Da minha janela… Wallpaper abril de 2021

Da minha janela é a imagem deste mês de abril que segue grátis para todos os meus subscritores. A melancolia desta fotografia num final de tarde (19h00) de sábado de abril é, em minha opinião, simplesmente divinal. Tanto assim o é que neste momento é precisamente a minha imagem de fundo no meu ambiente de trabalho do meu computador.

19 Agosto, 2020 0 Comments

Dia Mundial da Fotografia 2020: Imagens para a eternidade!

Hoje, quarta-feira dia 19 de agosto, é comemorado o Dia Mundial da Fotografia. Imagens que passaram a ficar para a eternidade num dos instrumentos mais …

4 Março, 2017 0 Comments

O simples cair da neve

Estes são os momentos pelos quais em caminhada se tornam difíceis de esquecer. O simples cair da neve.
Com uma máquina fotográfica na mão garanto-vos, é tão ou mais emocionante que fazer a cobertura de um qualquer evento desportivo. Em períodos curtíssimos de tempo tanto a intensidade da neve, como a intensidade da Luz variam de tal forma que, fotografar os elementos à nossa volta dentro e fora das “leis da fotografia” se tornam uma anarquia aliciante.

Em baixo segue um pequeno excerto em vídeo do que no terreno acontece para tal obtenção de imagens. Por vezes a queda abrupta de neve é bastante notória.

Um abraço a todos, e boas visitas à neve se possível.



18 Fevereiro, 2017 1 Comment

O último guardião do 42.1

O último guardião do 42.1, o meu Avô.

42.1 é o Indicativo, o código de identificação do Posto de Vigia do Cabeço do Pereiro mais conhecido por Santo António da Neve. Instalado a 1193 metros de altitude começou a sua operacionalidade na forma como o conhecemos hoje no longínquo ano de 1971, segundo a Direcção Geral das Florestas. Segundo o meu avô, este começou a trabalhar em 1969 mas numa “barraca”, sim “barraca” e por lá esteve alguns anos, cerca de cinco ou seis, até à construção que hoje conhecemos. Em termos de datas, estas não são então muito precisas.

Nessa época até 1996, o posto de vigia funcionava durante todo o ano pois era necessário transmitir mensagens de ambos os lados da Serra, e sem repetidores automatizados sem a tecnologia que hoje em dia abunda, eram necessário meios humanos. O meu avô.
Como se deve calcular, trabalhar a quase 1200m de altitude não é fácil. Ainda hoje não o é. A grande diferença é que naquela época escasseava o aquecimento. Havia a hipótese do gás, que chegava de quando em vez para remediar. Os rádios funcionavam com baterias porque a rede de electricidade era ainda uma miragem. Inicialmente, miragem era também a estrada para o Santo António via Coentral, sendo o único acesso via Trevim. Dizer ainda que inicialmente a ida para o trabalho era feito a pé pelos caminhos de então, a motorizada veio alguns anos depois.

Fonte: Direcção Geral das Florestas – 1999

Frequentava eu a escola primária do Coentral em 1988, são estas as minhas primeiras recordações. Fosse qual fosse a época do ano, lá vinha o meu avô ao final do dia a passar ao fundo da escola, descendo a estrada de terra batida para o Coentral na sua Macal. Sim, nesta altura já havia estrada do Coentral para o Santo António.

Alguns dos que estão certamente a ler este texto, conhecem o meu avô. Por lá, somente no verão passaram dezenas de jovens e menos jovens que o acompanharam na missão de descobrir o mais rapidamente focos de incêndios florestais. Desde o Coentral, Castanheira de Pera, Lousã, Poiares, Miranda do Corvo e até Coimbra. De todas estas localizações por lá passaram os “vigias”.
Eu ainda lá fui um dia ou outro nas férias, verão ou inverno, mas o meu tio Francisco que já não se encontra entre nós, e o meu tio/padrinho Anselmo, que ingressou mais tarde nos Serviços Florestais como Guarda Florestal também por lá passaram. Haverão por aí muitas histórias por contar desse tempo, desse saudoso tempo.

Ao longe… 2006

Hoje o 42.1 ainda está em funcionamento, mas apenas no verão. É assim desde que o meu avô se aposentou. É ele então o “Último Guardião do 42.1”.

Mas quem é o meu avô afinal?
Chama-se Américo Bernardo, é natural da aldeia do Candal, Concelho da Lousã, nascido a 10 de maio de 1937.

Américo Bernardo e esposa Sílvia Lopes recentemente no 42.1 *A primeira vez desde a aposentação

26 Outubro, 2016 0 Comments

X Feira de Rua da Castanha, do Mel e Artesanato

É já no fim de semana de 29 e 30 de outubro que se realiza mais uma Feira de Rua da Castanha, do Mel e Artesanato no Coentral, será a décima edição. Sobre este certame já falei numa publicação feita no ano passado, que pode ser lida aqui, faço apenas o convite para uma visita a esta terra que será sempre a minha terra e que nunca me canso de falar dela e de a divulgar. Pessoalmente participarei com alguns trabalhos fotográficos expostos na antiga escola primária, pelo que convido no sábado a passarem por lá e já agora, verem também outros trabalhos feitos por colegas.
Cumprimentos e um abraço,
Jorge Nunes

3 Abril, 2016 0 Comments

Chegar lá, estar lá !

Chegar lá, estar lá.

É tal e qual o que quer dizer na sua definição. Este pequeno vídeo realça bem por vezes as dificuldades e os proveitos de tentar obter uma fotografia na hora certa, no local certo. Estas imagens foram obtidas na Ribeira das Quelhas num dia de bastante chuva. O abrigo foram umas rochas na proximidade, fazendo com que o barulho da chuva seja único e genuíno. Deixe-se ouvir …