Nenhum produto no carrinho.

Nenhum produto no carrinho.

30 Setembro, 2015 0 Comments

Elementos: História Versus Progresso

Continua a proliferação de novos Parques Eólicos por terras de Portugal. A foto que utilizo para ilustrar este artigo situa-se no Cabeço do Pereiro, mais conhecido por Santo António… da Neve. Este local icónico, num dos pontos mais altos da Serra da Lousã, pertence ao Concelho de Castanheira de Pera e tem uma história incalculável.
Fazendo um compêndio, era neste local que há mais de 200 anos era recolhida neve no inverno para os sete Poços existentes na altura, sendo que agora existem apenas três estando classificados como Imóveis de Interesse Público desde 1986. Também a Capela, que se vê na fotografia edificada exactamente duzentos anos antes, 1786 está classificada de Imóvel de Interesse Público. Da neve recolhida no Inverno, ficava o gelo que era depois comercializado nos meses de Verão. O transporte da neve era feito em carros de bois em que estes seguiam por caminhos mais ou menos sinuosos até Constância. Daqui, a viagem continuava em barcos até ao Terreiro do Paço, em Lisboa, e posteriormente vendidos para a Casa Real bem como para vários cafés, sendo o conhecido Café Martinho da Arcada um deles, em que por fim transformavam o gelo em gelados. Mas para uma leitura mais exaustiva, aconselho bastante seguir o seguinte endereço,
http://bit.ly/1QJEHeo.

Olhando agora para o… Progresso.
Os Parques Eólicos vieram em grande força para Portugal de há quinze anos por aí a esta parte. Apesar de pouco se falar, a Energia Eólica que é uma energia renovável é sujeita a várias interpretações quanto à sua mais valia.
Como vantagens temos a compatibilidade com outros usos e utilizações do terreno, emprego, investimento em zonas desfavorecidas, benefícios financeiros para proprietários dos terrenos. A energia eólica tem reduzido a elevada dependência energética do exterior, nomeadamente a dependência em combustíveis fósseis.
Olhando agora para as desvantagens. Temos desde logo o impacto visual considerável. A instalação dos parques eólicos gera uma grande alteração na paisagem, assim como também o efeito sonoro feito pelas pás dos aerogeradores. Outras duas grandes situações que irei mencionar é em primeiro, o impacto sobre as aves no local e os efeitos ainda pouco estudados sobre a modificação dos seus comportamentos habituais de migração. Depois em segundo lugar, é o factor intermitência na produção de energia dado que o vento nem sempre sopra quando a electricidade é necessária. Esta situação torna difícil a integração da sua produção num programa de exploração.

Voltando novamente para a imagem em questão. Existem os chamados estudos de impacto ambiental em que à partida se deveria confiar nos mesmos. Eles estão feitos e publicados e os parques, este em concreto avançou e está a ser construído.

Para Castanheira de Pera estes investimentos, dentro e fora do Concelho foram uma lufada de ar fresco e uma nova oportunidade na questão da empregabilidade. Não tenho números comigo, mas serão várias dezenas de pessoas que diariamente fazem manutenção destas torres eólicas. Mais, os efeitos indirectos que ainda advêm destes mesmos postos de trabalho. Os impactos sociais são imensos e resta-nos, de forma positiva, adaptar e interiorizar estes novos elementos que nos rodeiam, não esquecendo e vincando ainda mais a história e os nossos antepassados, harmonizando ao máximo a coexistência de ambos. Acredito também, que a natureza de forma natural seguirá este processo de adaptação com sucesso.

Não há “História Versus Progresso”, há sim em minha opinião “História E Progresso”.

 

0
Your Cart
  • No products in the cart.