Nenhum produto no carrinho.

Nenhum produto no carrinho.

17 Junho, 2018 0 Comments

UM ANO DEPOIS no “Pinhal” Interior…

UM ANO DEPOIS no “Pinhal” Interior…
Imputaram-se mais encargos e responsabilidades aos proprietários que pouco ou nada conseguem rentabilizar das suas terras, a não ser continuar a alimentar as celuloses que têm uma importância bem acima do desejável.
Assim, a paisagem verde dará cada vez mais ao azul de eucalipto, como já todos podemos observar no terreno.

Cada vez mais me convenço que a tão falada Gestão da Floresta e Ordenamento Florestal, deverá ser feita com recurso à Régua, ao Esquadro e ao Compasso, com próprio Estado a definir a Floresta e os Recursos Florestais e a PAGAR a mesma. Pensar e executar uma Floresta a pensar nos nossos netos.
O Estado que durante décadas FALHOU, descurou a Floresta e não regulou, TEM OBRIGAÇÃO de emendar a mão !

QUE O FUTURO SEJA MAIS VERDE, SUSTENTÁVEL E SE INVERTA O DESPOVOAMENTO DE TODO O INTERIOR.
17-06-

 

11 Outubro, 2015 4 Comments

As Casas dos Guardas Florestais

Hoje os guardas florestais incorporados na Guarda Nacional Republicana, também com a relevância que lhe é devida e merecida, deixaram de dar um uso pleno a estas casas.
Mais de um milhar destas edificações espalhadas de norte a sul com o objectivo de acolher, não apenas o Guarda Florestal mas também a sua família, foram construídas no auge da exploração florestal e quando esta constituiu uma prioridade económica do Estado há várias décadas atrás.

Eram em locais estratégicos nas matas nacionais, que estas habitações eram construídas. Não se confinavam apenas à habitação em si, mas tinham também acesso a muita água e algum terreno de cultivo assim como pequenos anexos para criação de galinhas, coelhos ou porcos. Isto apesar da maioria das vezes as localizações serem longe das ideais para este efeito. Mas arranjar meios de alguma subsistência era primordial e aqui tanto o Guarda, como a Esposa e os Filhos tinham um papel fundamental.

Olhando agora para a figura do Guarda Florestal do antigamente, este fazia da fiscalização a sua actividade, percorrendo uma determinada área denominada de Cantão. O Guarda Florestal era um conhecedor nato de toda a área florestal à sua responsabilidade e temido por todos, principalmente dos que prevaricavam.
Desde a gestão nas épocas da caça e pesca, à simples autorização de um corte de uma árvore ou mato para os animais, este era o trabalho do Guarda Florestal. Neste tempo, a fiscalização era feita a pé, os guardas eram pessoas respeitadas mas também eles de poucas posses, logo com alguma sensibilidade para a extrema pobreza da época. Acabavam muitas vezes, apesar de sujeitos a ordens superiores, de fechar os olhos a uma ou outra árvore que se cortava ou já estaria seca por uma trovoada e deixavam que os populares de aldeias localizadas em locais também eles inóspitos, as levassem. Os Invernos eram rigorosos e as casas bastante frias, a maioria sem lareiras apenas com braseiras e o… pobre do fumeiro logo por baixo da telha serrana.

As Casas dos Guardas Florestais são autênticos museus vivos da figura do Guarda Florestal que hoje os mais novos já vão desconhecendo. Umas vendidas outras perdidas pelos montes e dada a malfadada desertificação, estão sujeitas a todo o energúmero que gosta de destruir o património de todos nós. São cada vez mais as ruínas e as histórias que vão sobrando, sendo que o meu avô ainda hoje me vai contando algumas. Talvez chegue o dia, em que todas histórias de tanto serem contadas, se tornem lendas.

Casa do Guarda no Figueiredo
Fotografia 1: Casa do Guarda das Hortas
Fotografia 2: Casa do Guarda do Figueiredo,
nome do último Guarda que habitou nesta casa