Nenhum produto no carrinho.

Nenhum produto no carrinho.

16 Novembro, 2017 0 Comments

Dark Site Finder

Dark Site Finder é uma ferramenta bastante interessante onde basicamente é-nos dada a informação da luminosidade de um determinado local em qualquer parte do mundo com recurso a uma “régua de cores”. Diria mais, é uma ferramenta “tens de ter” para quem gosta de observar o céu, quer seja amador quer profissional.

Abrir Galeria de Imagens

Todos nós já olhámos para um céu estrelado à noite. Mas quantos de nós já olhámos um céu sem qualquer tipo de poluição luminosa? Num local onde não há qualquer poluição luminosa, apenas a olho nu conseguimos ver com muito mais noção as milhares de estrelas, meteoros, luz zodiacal, satélites, a via láctea, nebulosas e ocasionalmente auroras e cometas.

Quanto a Portugal, infelizmente são mesmo muito poucos os locais que nos permitem fazer observações excepcionais do céu, mas há alguns locais como no Alentejo. Falo do sobejamente conhecido Dark Sky Alqueva. Uma verdadeira região demarcada de céu escuro onde estão abrangidos os concelhos de Portel, Alandroal, Reguengos de Monsaraz, Moura, Mourão e Barrancos, bastando afastar-nos cerca de duas dezenas de quilómetros destes centros urbanos.

Rota Dark Sky Alqueva

Para terminar, além de desejar umas boas observações nocturnas, acrescento ainda uma outra ligação para uma imagem de 2010 onde é possível ver o impacto da poluição luminosa em Portugal, na Europa e no mundo.
https://blue-marble.de/nightlights/2010%c2%a0

 

 

8 Novembro, 2017 0 Comments

O tamanho da Lua no Horizonte

A Lua cheia foi há alguns dias, no dia 4 de novembro mais precisamente. No rescaldo de mais uma Lua Cheia, quantos de nós já paramos e observámos um nascer da Lua? Uma Lua que aparece enorme, pronta a ser apreciada e contemplada e que depois à medida que vai subindo no horizonte vai ficando mais pequena? Será que é mesmo assim ?

Poderia-se supor que os raios vindos da Lua junto ao horizonte ao percorrer um caminho mais longo, poderia provocar refracções que levariam a crer que parecesse maior. Mas isso não explica a Lua ser ou parecer maior. Se medirmos o tamanho da Lua com os instrumentos certos e precisos, iremos ver que o seu diâmetro não é maior quando está no horizonte. Mais, o oposto iria suceder pois qualquer objecto será sempre maior quanto mais próximo estiver de nós e quanto mais acima do horizonte estiver.

Então como se explica? Ilusão de Óptica.

Exactamente, este efeito não é óptico mas sim cerebral. É o cérebro humano que cria a “imagem fictícia” de uma lua enorme, não constituindo uma vulgar ilusão de óptica. Somos levados a pensar que a Lua está mais longe quando ela está no horizonte e assim ela parece maior para nós. Esta situação é conhecida como a Ilusão de Ponzo, em homenagem ao psicólogo italiano Mario Ponzo.

Nesta imagem, criada por Ponzo em 1913, verificamos in loco esta ilusão de óptica. Ponzo ao desenhar duas linhas verticais convergentes e outras duas linhas, estas horizontais, uma na parte superior cruzando as primeiras e outra na parte inferior, parece que a linha horizontal de cima é maior. De facto não acontece. Ambas as linhas horizontais têm o mesmo tamanho.

Isto acontece porque o nosso cérebro interpreta as linhas convergentes como linhas paralelas. Conclui-se então, que a Lua tem sempre o mesmo tamanho.